Fatos e registros dos anos 30
Celso Marvadão

Na segunda metade da década de 30, o prédio da estação ferroviária já apresenta as obras acabadas de sua nova configuração arquitetônica.

Em 1938, as Oficinas da Sorocabana batem recorde de serviços com 1.440 veículos (locomotivas, carros de passageiros e vagões de carga) reparados, segundo registro do jornal Cruzeiro do Sul de 17/03/1939. A Associação Comercial solicita que os trens dilatem seu tempo de parada na estação, pelo menos por mais 5 minutos.

Em 1934, as fábricas têxteis de Sorocaba, Nossa Senhora da Ponte, Estamparia (Santo Antônio e São Paulo), Santa Maria, Santa Rosália e Votorantim somam 4.703 teares em funcionamento.

Em 1930, Cyro Sandroni constrói o solar próximo da ponte da rua XV, no local do prédio destruído pela enchente de 1929. Os canhões são colocados na praça Arthur Fajardo, é criado o o Clube Estrada de Ferro Sorocabana e inaugurado o Seminário Diocesano.

Em 1931, surge a primeira piscina pública na área do futuro Parque Quinzinho de Barros. O Palacete José Miguel, na rua XV de Novembro, prédio que chegou a abrigar a Câmara Municipal, é de 1933. A escola Dr. Júlio Prestes de Albuquerque finalmente ganha seu prédio próprio na futura avenida Eugênio Salerno, em 1934. Nesse ano, é inaugurado o Estádio Humberto Reale e iniciada a reforma do Teatro São Rafael para transformar-se em Prefeitura, em 1937. A empresa Texaco anuncia, ao final de 1935, a abertura de três postos de combustível em Sorocaba: avenida Siqueira Campos (av. São Paulo), General Carneiro e Monsenhor João Soares.

No ano de 1937, Luiz Pinto Thomaz instala a fábrica de enxadas e ferramentas na rua XV de Novembro, embrião da Metalúrgica Nossa Senhora Aparecida. É o ano também do lançamento do Jardim Bertina, na rua Alberto Kenworthy, a primeira vila não operária planejada de Sorocaba, em estilo art-déco, o embrião dos condomínios residenciais, com destaque para o casarão da depois chamada Vila Stillitano. Em 1939, o Além-Ponte ganha o Cine Eldorado, voltando a ter uma casa de espetáculo, depois do fechamento do Cine Alhambra, em 1933.

Fotos: Palacete Miguel, Sobrado Sandroni, fábrica de enxadas de Luiz Pinto Thomaz, Seminário Diocesano e Vila Stillitano.