(Especial 97 anos) Associação Comercial de Sorocaba tem a idade do Palacete Scarpa… e muita história para contar e levar adiante!
Celso Marvadão

Fundada em 20 de janeiro de 1922, a Associação Comercial comemora seus 97 anos e é a mais antiga entidade de classe de Sorocaba em funcionamento ininterrupto.

No âmbito das instituições sorocabanas, também está entre as mais duradouras. Fica atrás apenas da Santa Casa de Misericórdia (205 anos, é de 1913), da Loja Maçônica Perseverança III (150 anos, julho de 1869), Gabinete de Leitura Sorocabano (150 anos, janeiro de 1867), Sociedade Beneficente e Recreativa Vasco da Gama (120 anos, 1898), Jornal Cruzeiro do Sul (115 anos, 1903), Colégio Santa Escolástica (114 anos, 1905) e Esporte Clube São Bento (105 anos, 1913). A nossa Cúria Diocesana tem 95 anos, é de 1924.

Na época de sua criação, Sorocaba contava com 45 mil habitantes, vivia o apogeu da indústria têxtil, os efeitos da chegada da Estrada de Ferro Sorocabana e da cultura do algodão, num ciclo de superação da tradicional economia baseada nas feiras de muares e no seu comércio de apoio.

Apesar das alterações de sua sigla ao longo do tempo, continua com os seus propósitos iniciais. Desde que o engenheiro e industrial Bráulio Guedes da Silva foi eleito o primeiro presidente, a Associação tem o propósito de apoiar a atividade econômica e social de comerciantes, industriais, agropecuaristas e prestadores de serviço. E sempre participou ou acompanhou de perto as transformações ocorridas em Sorocaba nestes já quase 100 anos. As fotos da galeria dos ex-presidentes retratam esse compromisso levado adiante.

PRESENTE NAS TRANSFORMAÇÕES DA CIDADE

No ano em que Associação foi fundada, 1922, Sorocaba ganhava o Palacete Scarpa, o primeiro prédio de três pavimentos e com elevador da cidade, do tipo “gaiola”, sede do Banco União, que deu origem ao grande projeto industrial que mais tarde originou o Grupo Votorantim. Foi o ano em que a Estrada de Ferro Votorantim eletrificou seus bondes, de saudosa memória. A Associação acompanhou e viu também o fim desse transporte, em 1966.

Também em 1922, Sorocaba vivia o fervor do serviço de bondes, criado em 1915. Estes já surgiram aqui movidos por tração elétrica, não por mulas, resultado da inauguração da Usina de Itupararanga, a “Light”, em 1914, que garantiu energia em abundância para a cidade. A Associação registrou também o fim do serviço dos bondes, em 1959 e o surgimento das primeiras linhas de ônibus.

Foi com alegria que testemunhou a inauguração da Rodovia Raposo Tavares, em 1954 (antiga estrada São Paulo-Curitiba). O asfaltamento até Sorocaba aconteceu em 1952, mas por causa do atraso das obras da ponte estendida sobre o rio Sorocaba e estradas das margens, a “variante” por fora da cidade só foi liberada no princípio dos anos 60, quando a rodovia deixou de passar pelo centro da cidade. Hoje a Raposo Tavares está dentro da cidade...

O ano de 1922 é ainda apontado como o do início do Ciclo da Laranja em Sorocaba, que continuou forte até os anos 40. As plantações iam do bairro Laranjeiras até Votorantim. Em 1927, a família Hingst doou a área para instalação da Packing House (casa de empacotamento) das laranjas para exportação. A cidade produziu até vinho de laranja. Tivemos inclusive a Cooperativa de Citricultores de Sorocaba.

Em 1938, para inaugurar o novo Mercado Municipal, a Associação Comercial liderou a realização da 1ª. Feira Industrial, Agrícola e Comercial de Sorocaba. E depois levou dez anos para ser ressarcida, por parte da Prefeitura, pelos gastos do evento.

Mesmo assim, em 1954, a Associação participou da segunda feira, agora dentro das festividades do Terceiro Centenário de Sorocaba. A mostra teve lugar, no Peladão do Scarpa (hoje Sorocaba Shopping). As comemorações contaram com amplo apoio do comércio e indústria. A colônia espanhola doou o busto de Baltazar Fernandes colocado diante do Mosteiro de São Bento; a colônia sírio-libanesa botou uma Fonte Luminosa do Largo do Rosário; japoneses aqui radicados doaram o relógio público da praça Nicolau Scarpa, ao lado do Mercado Municipal; a colônia italiana, com apoio do conde Francesco Matarazzo, chantou o monumento aos Tropeiros, próximo à Santa Casa, enquanto a colônia israelita dotava a praça Carlos de Campos de bancos comemorativos.

Em 1964, a Associação viu surgir a Feira Agropecuária e Industrial de Sorocaba (Fápis), no espaço do Jockey Clube (hoje Paço Municipal), evento que depois foi transferido para o Peladão do Scarpa e em seguida para o início da Estrada Sorocaba-Salto de Pirapora, Recinto Pedro Marcelo.

Em 1960, a cidade e o comércio comemoraram a construção do Viaduto Jânio Quadros, sobre a ferrovia, obra que efetivou o nome Além-Linha, dando impulso à rua Comendador Oeterer, rua Aparecida, Vila Santana e, sobretudo, valorizando os bangalôs lançados pela indústria Cianê, no bairro de Santa Rosália. Antes, a cidade já havia consolido outro marco em sua paisagem: o Além Ponte e a querida Rua dos Morros dos espanhóis.

Em 1956, junto com a cidade, a Associação valorizou o nosso primeiro “arranha-céu”, o Edifício Nossa Senhora da Penha, com 6 andares e elevador (choque tecnológico!), em plena rua da Penha, o nosso mais longo corredor comercial da época.

Foi quando começaram a surgir outros corredores ocupados pelo comércio, diante da expansão urbana de Sorocaba. A Associação esteve sempre envolvida nessas transformações, participando do fervor do surgimento das lojas de departamento e dos modernos centros comerciais e shoppings, quando o centro histórico começava a perder o status do local onde tudo acontecia

A criação da Zona Industrial, no Éden, para compensar a perda do distrito de Votorantim, que se emancipou em 1963, foi outro marco do progresso da cidade, junto com a inauguração da Rodovia Castelo Branco e em seguida da Rodovia Castelinho.

Estas são apenas algumas lembranças... A Associação Comercial de Sorocaba tem muita história para contar e continua fazendo história.

Nesses quase 100 anos, ocupou vários endereços. O último deles, um casarão de estilo colonial na da Penha, local onde ergueu, mais tarde, nos anos 70), a moderna sede, onde hoje oferece inúmeros serviços e promoções a seus associados, inclusive suporte de proteção ao crédito. Hoje já conta com um segundo endereço, no Shopping Cidade, na Zona Norte.

Ao longo do tempo, a Associação passou a ser também um patrimônio da cidade e dos consumidores, que têm apreço e carinho por suas lojas do coração e pelas famílias que fizeram história no comércio.

Mais do que representar uma classe, a Associação Comercial de Sorocaba historicamente é uma instituição que vive os problemas da cidade, apoia grandes iniciativas e se coloca como agente de transformações para o bem da comunidade.

97...100 anos! É pouco tempo para tanto trabalho ainda por fazer. Isso dá um livro. Nosso presente tem futuro.