Ciclo da Laranja em Sorocaba - A história que virou suco
Celso Marvadão

Sorocaba já foi considerada a maior cidade industrial do interior do Brasil, mas ficou também marcada por dois ciclos agrícolas: o do algodão, cujas exportações motivaram até a criação de uma ferrovia (Sorocabana) e impulsionaram depois a indústria têxtil, e o ciclo da laranja, entre os anos 1920 e 1940, com auge nos anos 30.

Estamos publicando diversas fotos sobre o cultivo da laranja que cobria grande parte do solo da Sorocaba de hoje. Do Parque das Laranjeiras até o Rio Acima (Votorantim).

Sorocaba foi o segundo maior centro produtor de laranja de São Paulo, só perdendo para Limeira. Para selecionar, acondicionar e embalar a fruta, tivemos algumas "packing houses", a principal delas a da Árvore Grande, próxima ao cemitério Pax, na rua Epitácio Pessoa, ao lado da ferrovia, em área doada pela família Hingst.

Ali o governo do Estado, entre 1927 e 1930, construiu a Packing House, que foi entregue à Cooperativa de Citricultores de Sorocaba (fundada em 8 de dezembro de 1930). Em 1936, a entidade chegou a funcionar no Palacete Scarpa, da rua Souza Pereira.

O ciclo da laranja, como destaca o engenheiro Sérgio Aranha, um apaixonado pelo tema, chegou a produzir os vinhos Paramount e o Laranja Supremo, para exportação. Em seus registros, ele enfatiza que as plantações de laranja se deveram ao tipo de clima e de solo favoráveis de Sorocaba, e especialmente à dedicação da colônia espanhola, que por tradição se dedicava a esse tipo de cultura.

Sorocaba foi chamada de “capital da laranja” e o ciclo chegou ao fim com o início da Segunda Guerra Mundial, quando acabaram as exportações. Também a chegada de uma praga contribuiu para o declínio dos laranjais.

Mesmo depois do fim do ciclo, a laranja continuou nas tradições da cidade. Por muitos anos foram realizados concursos da Rainha da Laranja, promovidos nas escolas, com participação nos desfiles comemorativos. A segunda Fapis - Feira Agropecuária e Industrial de Sorocaba (no antigo Jockey Clube, hoje Paço Municipal) também levou o nome de Festa da Laranja. E as festas juninas realizadas diante do CIC de Santa Rosália ainda mantinham a tradicional escolha da Rainha da Laranja.

Estamos postando fotos de anúncios da Cooperativa publicadas na revista Guia Sorocaba de 1934, cena do prédio da Packing House ao lado dos trilhos (do acervo do Museu Histórico Sorocabano), fotos de citricultores na sede da rua João Pessoa, dos arquivos do Projeto Memória Cruzeiro do Sul e do colecionador Pedro Judice, cena de desfile com homenagem à laranja (foto João Carone) e foto da Rainha da Laranja (arquivo Sônia Maria Gonçalves).