Esquina da Cel. Benedito Pires nos anos 50
Celso Marvadão

Postei no Facebook algumas fotos tiradas por Francisco Scardigno sobre a primeira pavimentação com paralelepípedos, em 1921. E aí Martha Bueno leu e comentou: “É meu avô!”. Ela é filha de Helena Scardigno Costa e mora em Sorocaba.

Perguntei se tinha outras fotos produzidas pelo estúdio do avô. Ficou de ver e, por ora, já encaminhou duas: uma do próprio avô e outra da Rua Cel. Benedito Pires, de 1953, guardada pela família.

Vejam como era a Benedito Pires (Rua da Matriz), na esquina de baixo da Rua da Penha, em frente ao casarão onde funcionou a Escola do Comércio e depois a Organização Sorocabana de Ensino (OSE), na esquina de cima.

A foto mostra comerciantes das lojas do trecho: Denichiro Mitusoka (da confecção infantil Santa Maria), Francisco Moron Fernandes e Antônio Juarez Moron Morad (Casa das Balanças), Lula e Lilo, os irmãos Rodrigues (da Farmácia Rodrigues, aparece parte da fachada), Henrique Lamberti (do Bazar Dunga), além de parentes e funcionários das lojas.

“Na foto ainda aparecem meu pai Terêncio da Costa Dias e meu irmão Terêncio da Costa Dias Junior, a esposa do Sr. Denichiro, dona Maria, e seu filho Paulo. Meu pai era o dono dessa farmácia, que vendeu para os irmãos Rodrigues”, comenta Martha. A família dela sempre morou na Cel. Benedito Pires, perto da Padaria Americana, por isso aparece na foto.

Martha Bueno tinha uns 12 anos quando ele morreu, e costumava passar férias em São Paulo na casa dos avós. Francisco Scardigno veio da Itália, de Sicília, tendo passado pela Argentina antes de se fixar em Sorocaba. Ele manteve estúdio na Rua São Bento, 34, entre os anos 1910 e 1920, depois transferindo-se para São Paulo. “O estúdio dele na Lapa era famoso. Aos sábados, atendia só para casamentos e com hora marcada”.

FOTO:
Francisco Scardigno, lojas da Rua Cel. Nogueira Martins e a Protopraphia Scardigno, na Rua São Bento.