Homenagem à Família Guariglia
Celso Marvadão

A história da família Guariglia vai longe, dá um livro. Já tem 124 anos só em Sorocaba.

Tudo começou na Itália. Sérgio Guariglia, Krika, esteve por lá visitando os primos, na cidade de agropoli, perto de Sardenha, costa do Mediterrâneo.

Conheceu a terra do tataravô Francesco Guaríglia, a casa do bisavô Giuseppe Guaríglia (José), casado com Porfíria Funicelli, de cuja união nasceram dez filhos. Um deles Giovani (João), que nasceu em Sorocaba em 1897. Giuseppe veio para cá em 1895, comprou áreas na parte baixa da rua da Penha, dando início à presença dos Guariglia em Sorocaba.

A família logo se integrou à italianada local. Participou da formação do Círculo Italiano, que é de 1918. Consta que Giuseppe até instalou um cassino no Círculo com roletas vindas da Itália. Na época era permitido.

Em 1924, Giuseppe montou uma fábrica de móveis na esquina da Penha com a Monsenhor João Soares – Marcenaria Moderna, Guariglia & Ciardi, com tornearia e carpintaria. Mais tarde, em 1931, abria uma filial da fábrica na Hermelino Matarazzo.

E o gosto pela madeira, pelo trabalho manual, pela arte e pelos negócios, característica dos italianos, prevaleceu e foi seguido pelo filho João e descendentes.

Casado com Gloria Almo, João teve quatro filhos: José, Vera Aparecida, João, Flávio e Reinaldo. Indústria e Comércio de Móveis Guariglia, Móveis Irmãos Guariglia, Móveis Guaríglia, entre outros nomes, se destacaram no comércio local.

Giuseppe e o filho João sempre apoiaram a colônia italiana, oferecendo parcerias nos negócios. Foi assim que Pascoal Ciardi, cunhado de João, participou da fábrica inicial. Destruída pelo fogo em 1939, ela foi reconstruída mais acima da rua da penha, e mais tarde na rua General Antunes Gurjão, onde se manteve até 1981. Hoje no local fica a garagem da Prefeitura, perto da Árvore Grande

Móveis e madeiras Guariglia foram usados no Edifício Martinelli, em São Paulo. As poltronas do Cine Líder saíram das oficinas dos Guariglia, em 1940. Assim com o mobiliário da Casa União dos Tecidos.

Teresinha Rosa de Andrade (que está presente nesta festa), viúva de Flávio Guariglia (falecido em abril deste ano), conta que os móveis, populares e resistentes, de grande aceitação, eram inclusive levados para o Paraná nos vagões da Sorocabana. Conta ainda que o marido chegou a ser por mais de 30 anos diretor do São Bento, e um fato curioso: ele foi à Vila Belmiro de onde trouxe Mazinho e não Pelé... Pelé ainda não era o Pelé, apenas um aspirante.

José Guaríglia Neto, o irmão mais velho, sempre esteve envolvido com o ramo de madeira, primeiro na fábrica, depois com madeireira em Sorocaba e serraria em Mato Grosso. Foi um ativo comerciante no ramo, fornecendo madeira para as marcenarias de Sorocaba e região. Teve inclusive avião próprio para locomover-se até Paraná, Mato Grosso, Paraguai, Bolívia, Espírito Santo e Bahia, como lembra o amigo Paulo Dias, que por muito tempo foi seu piloto. E a sua empresa forneceu inclusive muita madeira para a construção de Brasília, ao final dos anos 50. José foi diretor do Aero Clube de Sorocaba. Sua viúva Cenira Guariglia não pode estar presente, mas leva o nosso reconhecimento.

Também envolvido no ramo, o caçula Reinaldo Guariglia, o único dos irmãos ainda vivo (está aqui presente com sua família), conta que costumava ir na boleia de um caminhão Mercedes Benz até Maringá para levar móveis ou até o Paraguai para comprar madeira. Reinaldo ainda teve pedreira.

Vera Aparecida Guariglia, muito ligada à religião, sempre desenvolveu atividades sociais, foi presidente da Casa das Mães e chegou a ter audiência com o Papa João Paulo II. Manteve por muito tempo o Bazar e Livraria Vemar, especializada em livros religiosos. Hoje o filho Mário mantém o Spasso Vemar.

E João Guariglia Junior (o Joãozinho da Cirandinha), o outro irmão, além da atividade inicial junto à fábrica e depois em suas lojas, foi sempre um entusiasta do comercio sorocabano. Tanto que foi fundador e presidente do Clube Diretores Lojistas. Como secretário de Esporte e Turismo de Sorocaba, nos anos 70, ajudou muito na promoção dos Jogos Abertos do Interior, Jogos Estudantis, Concurso de Miss estudantil, de Miss Sorocaba, do Clube da Lady, e da nova fase da Feira Agropecuária e Industrial de Sorocaba (Fápis), no Peladão do Scarpa.

Sua esposa Esmeralda Sala Guariglia, que está aqui nesta noite, com grande habilidade para bordados, enxovais, confecção de uniformes e roupas infantis, foi quem deu origem à Cirandinha. A Cirandinha do jipe de propaganda, do Trenzinho de Natal, que ainda continua, agora maior, assumido pela Associação Comercial de Sorocaba. Esmeralda, junto com a filha Rosani, continua tocando a Cirandinha.

João Francisco Guaríglia, seu filho, herdou o espírito empreendedor da família e atua como diretor de Relações Públicas Associação Comercial. A Rota Uniformes, montada junto com a esposa Regina, é uma confecção que produz em nível industrial. A empresa ganhou o prêmio....

Ele ainda se dedica ao kart e ao automobilismo. Foi tricampeão paulista da Fórmula 250, idealizador do Clube do Fusca e da 1ª. Prova de Arrancada Automobilística do Interior, entre outras.

Como se vê, além das iniciativas na área madeireira e de marcenaria, a Família Guariglia, por ter trabalho no sangue, foi ampliando e diversificando suas empresas, nas áreas de mineração, confecção, vestuário, moda infantil, uniformes, livraria, posto de combustíveis, estacionamento, lazer, eventos, casas de espetáculo (Studio 1000, Factory Music, Tribecca, Runa), alimentação, construção, entre outras.

Ainda está na lembrança dos sorocabanos a pista de patinação instalada junto à Ponte Delosso

A exemplo de muitos outros imigrantes, a Família Guariglia fez de Sorocaba a sua morada. Aqui plantou seus negócios, criou raízes e nunca deixou de investir na cidade, integrando-se completamente à vida local. E foi assim que conquistou reconhecimento, respeito e carinho junto à comunidade.

A Família Guariglia fez e continua fazendo história em Sorocaba, conquistando espaço de destaque na Memória Viva do Comércio da cidade. Por isso é merecedora desta homenagem especial no Dia do Comerciante.